Qualificando Relações

CEFI Integração

Terapia

Trabalhar com a participação de todos os membros envolvidos na vida cotidiana do dependente químico, promovendo sua ressocialização, reconstrução pessoal, emocional, familiar e vincular por meio das seguintes modalidades terapêuticas: 

1) Avaliação e acompanhamento psiquiátrico e terapia individual:
A dependência química é uma doença crônica que traz sofrimento, desarmonia psíquica, interferindo no funcionamento adaptativo e na participação social do indivíduo. Ao diagnosticá-la deve-se também atentar para a ocorrência simultânea de outros sintomas e/ou transtornos psíquicos, como por exemplo, transtornos de humor, déficit de atenção e hiperatividade, alterações cognitivas, transtornos dos impulsos e síndromes de abstinência, já que ocorrem em grande parte dos dependentes químicos. O tratamento destas comorbidades é importante, pois reduz significativamente as recaídas e auxilia no processo de recuperação.

2) Terapia de Casal e de Família:
A família constitui-se como fonte de socialização primária, influenciando na formação da identidade dos sujeitos. Podemos dizer que, além de ser afetada pela drogadição, a família pode estimular, facilitar e até perpetuá-la. Ainda mais, os especialistas entendem que as condutas dos adictos também adoecem suas famílias. Sendo assim, é necessário buscar relações de cura nas pessoas mais próximas. Ressalta-se o mecanismo da Codependência que é uma espécie de obsessão familiar sobre comportamento e bem-estar do dependente, tornando-se o eixo da organização familiar. Este necessita ser redefinido para evitar que a família promova, inconscientemente, a recaída do dependente químico. O tratamento familiar provê coesão e suporte ao adicto, diminui a possibilidade de ocorrência do mecanismo de negação, promove melhor adesão ao tratamento, além da família aprender sobre a dependência química e rever suas próprias condutas de estímulo ao uso.

3) Acompanhamento do Consultor em Dependência Química:
É um trabalho de impacto significante na reabilitação de dependentes químicos no que diz respeito ao auxílio para melhoria da qualidade de vida, tanto na área social quanto na saúde, ajudando na efetividade dos programas de tratamento. O Consultor realiza abordagens individuais e grupais que focam na motivação para o tratamento e para a mudança, na Prevenção da Recaída, no fortalecimento da autoeficácia e na construção de metas funcionais a curto, médio e longo prazo.

4) Grupoterapia:
O trabalho em grupo proporciona identificação entre os participantes, troca de experiências, reflexões, esperanças. Os grupos são oferecidos para os dependentes químicos e seus familiares. Por meio do relacionamento com outras pessoas com a mesma problemática no espaço terapêutico é que se dá o intercâmbio de dificuldades e de soluções de problemas, num verdadeiro efeito de rede.